segunda-feira, 21 de junho de 2010

Mas hein?!

Gostamos bastante de sushi mas agora descobrimos que não necessariamente das propagandas de sushi japonesas. Sério mesmo, que propaganda é essa?! Após os primeiros segundos esperávamos algo "cute" à moda daqueles animes melados. E eis o que acontece.

Ao menos ficamos imensamente aliviados em saber que nossos sushis não nascem desta forma (ao menos não aqui)!


quinta-feira, 27 de maio de 2010

Bentôs artísticos

Pra quem não conhece o bentô, é uma variação japonesa da nossa popular "marmita", presente fortemente na cultura japonesa. Elas são também o equivalente ao nosso "PF"(prato feito), podendo ser adquiridas em lojas de conveniência. Apesar desta disponibilidade a habilidade de preparar um bom bentô, bem apresentado e balanceado (gohan, legumes e carne), ainda é considerada como fundamental para qualquer dona-de-casa japonesa que se preze.

Entretanto, dentro do mercado do bentô há ainda espaço para verdadeiros artistas capazes de rebuscar o prato tal qual um bolo de casamento. Alguns desses trabalhos são realmente incríveis, passando por motivos diversos, de personagens de vídeo-game e desenho animado a gravuras e quadros famosos!

Separamos alguns aqui que achamos realmente espetaculares! Todas as 37 fotos podem ser vistas em nosso Picasa.










terça-feira, 11 de maio de 2010

Los Ruas - Opção entre os "points" da Vila Madalena

Conhecíamos o Los Ruas do tempo em que moramos na "Vila Madá" e achávamos o nome deveras estranho para um restaurante japonês, fosse ainda um mexicano vai lá... Um dia, porém, resolvemos nos aventurar a experimentar de seu festival e cá estamos para contar a experiência.

O Los Ruas não possui apenas um nome contrastante. Sua decoração denota que nem sempre o empreendimento foi um restaurante oriental. Isso entretanto não é um demérito, já que a casa é bem organizada e os ambientes são aconchegantes, incluindo uma espécie de terrário com chão de pedras logo na entrada.

Devidamente alojados solicitamos o cardápio e como de prache optamos pelo rodízio (aqui chamado de festival). "-E para beber, o que desejam?"; ficamos felizes em encontrar nosso amigo chá verde gelado entre as opções.

Inicia-se com um ponto positivo a entrega das oshibori (toalhas quentes) para se limpar as mãos antes da refeição. Por ser algo simples de implantar e dar uma primeira boa impressão é difícil entender por que alguns restaurantes não as têm. Como primeira entrada recebemos também uma porção de sunomono, uma entrada de pepino ligeiramente adocicado e cenoura.

Chegam os pratos quentes padrão: Guioza frita, bem temperada e forte no gengibre e coberta com cebolinha (gostamos) e harumaki (rolinho primavera) de legumes bastante sequinho e gostoso. A única crítica é a disposição dos molhos em frascos (industrial) ao invés de potes para mergulhar os aperitivos.

O tempurá chega bastante crocante, sequinho e montado interessantemente em forma de cabana ou trançado (já recebemos as duas variantes). Na sequência vem o misoshiru (sopa de misô) bem preparado e com tofu mas sem alguns componentes que já encontramos em outros restaurantes como vôngole ou aguê.

O destaque mesmo vai para o chickenkatsu (espécie de frando à milanesa japonês) super bem temperado e sequinho. Caso não goste de frango opte pela anchova grelhada que também é boa. Para finalizar esta etapa experimentamos o shimeji, também bastante saboroso e servido com cebolinha. Gostamos tanto deste que repetimos a dose ao fim do jantar.

Chega então a tábua com os sushis. Advertimos que os mais puristas poderão se sentir ofendidos já que o Los Ruas oferece por padrão uma variedade significativa de sushis, o que inclui ingredientes como frutas, cream cheese, crispies e goiabada. Para estes fica a dica de especificar a tábua logo no início.

Bom sashimi, o salmão assim como o atum são frescos e cortados em fatias generosas (não muito finas nem tão grossas). A qualidade do sushi é no geral também boa.

Os uramakis de salmão com laranja e cream cheese e nigiris de skin com fatias super finas de limão podem ofender os velhos mestres, mas achamos muito bons.

Outro ponto que vale destaque é que o festival inclui sushi de polvo e ovas além de sashimi de polvo à vontade, itens usualmente somente encontrados em rodízios de preços superiores. Os temakis seguem a qualidade dos sushis, com bom gohan e peixe fresco em quantidade.

Uma pena, e aqui fica uma crítica, que descontinuaram o temaki de polvo no rodízio, o que não entendemos já que você pode comer polvo à vontade em outros formatos. Outro item interessante e removido foi o sushi flambado de salmão. Em nosso álbum temos fotos dele, embora o mesmo nos tenha sido negado nas duas últimas visitas. Gostaríamos de ouvir da direção do restaurante se há algum motivo sólido para o cancelamento da oferta já que o preço do festival foi reajustado para cima após a retirada.

O rodízio inclui ainda sobremesa, sendo a que mais gostamos foi o exótico sorvete de paçoquinha. Infelizmente os demais clientes parecem compartilhar nossa apreciação já que o item estava em falta em nossa última visita.

A qualidade do atendimento flutua bastante. Já fomos atendidos incrivelmente bem, assim como já pegamos um garçon com mais tempo de casa e sem muita paciência num Sábado à noite. Se puder, opte pela Deise a garçonete mais atenciosa do local.

Nosso veredicto: O Sushi Los Ruas é atualmente nossa escolha alternativa quando optamos pelo fator preço vs. variedade. Não é a escolha mais em conta (R$ 35,90 pelo festival no jantar) mas oferece bom benefício pelo custo ainda que na Vila Madalena o preço do valet seja obrigatório já que não há lugar para estacionar. A possibilidade de ter itens como polvo, ovas e sobremesa inclusa e o horário de fechamento usualmente entre meia-noite e uma da manhã o tornam uma alternativa interessante pra uma escapada japa ao fim da sexta-feira (dá até pra emendar um barzinho ou balada no eixo aos mais aventureiros).

*********

Sushi Los Ruas
Rua Mourato Coelho, 885 - Vila Madalena, São Paulo - SP
Fone: (11) 3813-3651

segunda-feira, 5 de abril de 2010

Izakaya Issa, boteco japa que vale a visita!

Era Carnaval e ao invés de viajarmos, optamos por curtir São Paulo em sua melhor forma: um pouco vazia, em ritmo mais slow motion, o trânsito dando trégua e os estabelecimentos mais vazios e com atendimento mais personalizado.

Procurávamos um lugar para comer os famosos takoyakis, também conhecidos como "bolinhos de polvo", uma iguaria da culinária nipônica que aparece com frequencia nas animações japonesas, vulgo animês.

Rodrigo e eu somos fãs da cultura japonesa e aproveitamos para revirar a Liberdade em busca de iguarias para fazer sushi em casa, miniaturas de animês e obviamente para experimentarmos algo diferente. Para ajudar, procuramos referências a bons takoyakis no bairro e, com uma ajudinha da Rita Lobo, chegamos ao Izakaya Issa, um achado numa rua tranquila e de pouco movimento.

Imagine um balcão e um ar de "pub" com boteco. Agora imagine colocar ali, além do balcão tradicionais tatames e ao fundo uma sala que acomoda um grupo maior que queira fazer uma comemoração ou simplesmente uma refeição junto.

Pronto, você já consegue vislumbrar a "cara" do lugar: frequentado majoritariamente pela colônia nipônica (no dia da visita éramos os únicos não orientais na casa), aquele dia o espaço maior abrigava uma família que aproveitava o feriado para se juntar e, por algum tempo, nós, um casal ocidental sentado no balcão experimentando iguarias e pedindo traduções e explicações sobre o cardápio.

Começamos pedindo o motivo da visita: o takoyaki. Enquanto esperávamos recebemos um tipo de vagem que tentamos comer como nos serviram mas - em tempo - fomos orientados sobre a verdadeira forma de consumir: bastava apertar um pouco e de lá saíam tenros grãos de soja!

Um aspecto bastante peculiar do lugar e que não há quem não perceba é que a cozinha é comandada por mulheres. Sim, o balcão é o melhor lugar para conversar com Dona Margarida (que posou na foto com o Rodrigo)que gerencia o ambiente e recebe os clientes enquanto suas fiéis escudeiras preparam iguarias e conversam com você no balcão.

Os takoyakis chegaram deliciosos, seguiram-se então uma série de porções deliciosas e - dessa vez - não pedimos nem sushis nem sashimis (e sim a casa tem no cardápio!). Preferimos nos ater à cerveja geladíssima e os petiscos que se assemelham às tapas espanholas(porções diversas) mas com o toque do oriente.

Durante nossa estada, entre uma cerveja e uma porção ficamos sabendo que o lugar está se tornando famoso: "vocês também são jornalistas" perguntou Margarida? E nos apresentamos como a equipe do Vou no Japa enquanto ela exibia resenhas dos últimos visitantes ilustres e comentava como essas menções haviam contribuído para aumentar a clientela do lugar.

Agora, encerramos nossa resenha por aqui para que sua curiosidade fique suficientemente aguçada! Fica aqui uma dica para seu próximo happy hour para sair do lugar comum dos botecos tradicionais. Depois aguardamos os comentários de vocês contando suas experiências.

***********

Izakaya Issa
R. Barão de Iguape, 89, Liberdade, (011) 3208-8819


domingo, 28 de março de 2010

Nanako Sushi: sensação de estar em casa...

Tudo começou com uma indicação certeira de nossa amiga Cris Moreno que mora perto de uma das unidades do restaurante: "vão lá e não se arrependerão!" recomendou à equipe Vou no Japa.

Tardamos um pouco para concretizar nossa visita. Certa vez passamos lá por volta das 15h horas de um sábado e o time do restaurantenos sugeriu chegar à noite ou mais cedo para o almoço para que pudéssemos conhecer o real potencial do restaurante.
E chegou o dia: em um sábado tranqüilo, resolvemos nos aventurar e visitar a unidade da Rua Nova York no Brooklin para o horário do jantar.

Chegamos cedo ao grande espaço: embora por fora não pareça tão grande, o local conta com um grande salão no andar debaixo (vazio no dia de nossa visita) e muitos lugares no piso superior, onde estava sendo servido no buffet naquele dia.
Fomos bem recepcionados pelo time do restaurante e ficamos até em dúvida de que mesa escolher. Ao final optamos por uma não muito longe do buffet (recomendação da casa para a noite) nem muito perto de mesas mais cheias.

E fica aqui uma primeira dica: se você está procurando badalação ou clima pré-balada como encontra no Tadashii ou Kiichi, esqueça! O clima predominante ali é total família: mesas de casais, famílias orientais reunindo-se para comemorações e grupos de amigos num clima de preguiça de final de semana compõe o público do local.
O mesmo alinhamento de expectativas vale para a ambientação do local: esqueça decoração pomposa ou sofisticação: há uma ambientação oriental simples e o ambiente é despojado. O clima é totalmente propício para aqueles momentos nos quais você quer mais é sentar em um local tranquilo com os amigos ou família, comer bem e sentir-se à vontade e sem maiores protocolos.

Chegando ao Nanako, instalando-se na mesa, o primeiro passo: utilizar as oshibori (toalhinhas quentes), pedir a bebida e solicitar o temaki (esse é o único item que você pede ao garçon caso opte pelo buffet). Após esse ritual inicial, prepare-se para deparar-se com o buffet!

Como poderá ser visto nas fotos, ocorre um efeito similar ao do Issao, isto é, muita comida e pratos para que você os encha e coma o que tiver vontade. Nesse momento, os indecisos tremem: a variedade é tanta que você tem a impressão de que não conseguirá provar nem metade das iguarias.

Por isso mesmo, para ajudá-los, ficam algumas dicas de pratos imperdíveis:
- Pratos quentes: muita variedade nos tradicionais harumaki, camarão empanado e afins mas uma das iguarias da casa é a massa dos salgados tipo rissole e coxinha. Embora não sejam exatamente pratos típicos orientais, vale guardar um espacinho no estômago para eles;

- Saladas e pratos frios: não passe por essa seção sem experimentar o broto de gengibre (uma iguaria que só cresce na segunda metade do ano no Brasil) mas vale a experiência: tenra e de sabor acentuado funciona muito bem com os demais pratos que a casa disponibiliza no buffet. Além dela não se esqueça do vinagrete de polvo. Se você não tiver nada contra tentáculos e afins, delicie-se com esse prato refrescante e muito bem temperado. E seja rápido, porque o prato tem muitos fãs e some rapidamente do buffet;

- Sashimi: além dos tradicionais, salmão, atum e agulhão, não deixe de experimentar a sororoca, um peixe de água doce levemente grelhado e cru por dentro, uma iguaria de sabor delicado que derrete na boca e que vai ficar na sua memória gustativa após essa visita, com certeza!
Durante nossas idas e vindas ao buffet em busca de mais delícias para experimentar, começamos a conversar com o simpático senhor Ebara que nos contou como aquela unidade do restaurante havia se tornado de um restaurante especializado em cozinha chinesa em uma casa especializada em festivais de comida japonesa antes do "boom" dos rodízios dominar São Paulo.

Outra dica interessante é: quando visitar a casa, pergunte pelas ostras. Em alguns dias você poderá ter a mesma sorte que tivemos e contar com uma deliciosa porção de ostras fresquíssimas da casa. E, para alegria daqueles que não querem gastar muito, elas fazem parte do preço do buffet! :)
No quesito preço, embora não seja tão barato quanto alguns rodízios, o Nanako entra na categoria bom custo-benefício pela variedade oferecida. Por uma média de R$ 50,00 por pessoa você consegue consumir o buffet e um refrigerante sem grandes problemas.
Considerando a qualidade e variedade do local, é um bom investimento para aqueles que apreciam as delícias do oriente e não se importam em levantar e servir-se de acordo com seu gosto.
Para quem quiser ver mais de perto as varidades de sushi e pratos quentes, vale uma espiada mais detalhada do nosso álbum de fotos.
Lá vocês poderão ver mais de perto algumas da iguarias que a casa oferece.
Por fim, fica mais uma dica para nossos visitantes que sempre comentam nossos posts ou nos escrevem: esse restaurante também é uma ótima opção para os famosos casos nos quais um grupo de amigos divide-se entre os apaixonados pelos peixes crus e aqueles que não conseguem nem passar perto. Como o buffet conta com os tradicionais yakissoba, yakimeshi, empanados e salgados, o lugar é suficientemente democrático para atender os mais variados gostos.

Equipe Vou no Japa

***************************
Avaliação:

Preço:

***************************
Brooklin - Rua Nova Iorque, 606 - Tel.: 5543-0313 (unidade que visitamos)
Moema - Av. Lavandisca, 627 - Tel: 5052-7030 / 5051-9081
Berrini- Rua Flórida, 1588 - esq. c/ Luis C. Berrini - Tel.: 5542-4012
Perdizes- Rua Tanabi, 249 - Tel.: 3865-2545
Centro - Rua do Comércio, 22 - esq. c/ R. XV de Novembro - Tel.: 3241-4448 ou 3101-1980

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

LEGO Sushi

Se esses LEGOs fossem comestíveis teriam inventado o sushi perfeito. Divertido de fazer, gostoso de comer, além de não mais ter de ouvir "pare de brincar com a comida!"

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Warabi e o reveillon do "Vou no Japa"

E terminou 2009! Assim como a grande maioria das pessoas que adotam o calendário gregoriano ficamos pensando no que faríamos durante o Reveillon, já que pra variar praias estariam lotadas e não queríamos pessar a virada em São Paulo. Eis que surge a idéia de ir para Maringá, cidade vizinha de Visconde de Mauá, no Rio de Janeiro e que já havíamos visitado, conhecer o Warabi, uma pousada com clima oriental e restaurante japonês combinados em um único empreendimento. O bacana é que o pacote do Reveillon já incluía ceia japonesa e o mais interessante: café da manhã japonês para os mais adeptos a novidades (servem por padrão café da manhã "tradicional" com pães, geléia, sucos, frios e frutas, logo se quiser experimentar o café "japa" tem de reservar com o staff no dia anterior).

Acomodações: As instalações do Warabi são muito simpáticas, com um belo jardim japonês, laguinho com trutas e tartarugas e estacionamento gratuito em seu terreno. O restaurante aconchegante possui um também um deck de madeira para um almoço ou jantar em contato direto com a natureza (onde optamos por saborear nosso café da manhã a maioria dos dias de nossa estada). Tudo simples mas organizado.

Os proprietários Sérgio e Edna são experientes na arte do sushi. Antigos donos do restaurante homônimo em São Paulo no bairro de Moema, um dia cansaram-se das rotinas de rodízio com casa cheia e resolveram fugir para Visconde de Mauá, onde abriram a pousada Warabi e a lanchonete "Pingo de mel". Edna então passou a se especializar
em sushis diferenciados e desde então o Warabi conta com opções de hospedagem, petiscos e culinária japonesa em suas instalações.

Gastronomia: começaremos a resenha pelo diferente café da manhã japonês. Já imaginou despertar ao sabor de gohan, teppan de anchova, sushis e ban-chá? Podemos afirmar que um choque de culturas ocorre à primeira vista. Mas quem vence a resistência é recompensado por sabores únicos na região. Uramakis de salmão fresquinho e skin preparados na hora pela chef Edna, acelga levemente temperada, misoshiru, gohan e teppan de anchova. Acredite ou não, apesar de não parecer a seleção mais leve para quem acaba de acordar a combinação cai super bem e ajuda a dar aquela despertada. Na sequência são ainda servidos chá (ban-chá) , suco de frutas (opções variadas), frutas e bolo com cobertura de coco. Adeptos da novidade passamos a optar sempre pela variação japonesa do café!

A ceia: Nossa real expectativa, já que aqui experimentaríamos as famosas criações de Edna.
Somos recebidos com uma salada de harussame com camarão, bastante leve para abrir o apetite. Na sequência porção de mariscos vinagrete e molho de vinho branco, super frescos e saborosos. Para encerrar a entrada, harumaki de bacalhau bem sequinho e com recheio generoso e casquinha de siri empanada, uma iguaria.

Chega então o sashimi. Porção de salmão e atum com borda levemente tostada e envolto em gergelim. A qualidade do peixe novamente é inquestionável, em especial do atum muito saboroso (entre os melhores que já experimentamos). Infelizmente a porção é gourmet e só não nos deixa o "gostinho de quero mais" por saber que os nigiris e makis estão a caminho.

Como último prato chega a famigerada tábua de Edna à nossa mesa. Vários conhecidos e alguns pouco usuais co-habitam o espaço. Entre os mais comuns: acelgamaki, skin nigiri (bem sequinho), skin uramaki e hossomaki de salmão, todos muito bem preparados. Entre as novidades: hossomaki de tamago (omelete japonês super fino), nigiri de truta defumada (imperdível), ovas e nigiri de cogumelo (muito bom, mas veio apenas uma unidade). A tábua conta ainda com mais sashimi de salmão, atum e peixe branco (este último bom, mas não se comparando aos dois primeiros) e uma porção de hot-rolls generosa, super sequinha e saborosa.

Para celebrar a virada de ano foi servido ainda o mochi da sorte, um equivalente japonês das nossa sopa de lentilha ou das romãs para trazer prosperidade durante o novo ano.


明けましておめでとうございます (Akemashite Omedetou Gozaimasu)
FELIZ ANO NOVO!

O Warabi faz bonito ao honrar Visconde de Mauá com sabores orientais. O preço não é baixo, em especial pela dificuldade de se conseguir insumo na região mas os 500km rodados por Sérgio repetidas vezes durante o mês garantem peixe sempre fresquinho mesmo longe dos grandes centros. A preparação e apresentação dos pratos também são dignos de elogios, méritos da sushiwoman.
Por fim a simpatia do casal proprietário realça o tempero da casa, ou seja, vale a pena dar uma passada no Warabi mesmo que não esteja hospedado em um de seus chalés, pedir um combinado e bater papo!

Se sua idéia porém é também aproveitar para se hospedar, avisamos que as vagas no Warabi são disputadas, tentamos reservas para o Reveillon em 2008 e não conseguimos, assim aconselhamos entrar em contato com eles no máximo até Outubro. Ou então optar por uma visita fora de temporada.

Equipe Vou no Japa

***************************
Avaliação:

Preço:

***************************
Warabi
Estrada Maringá - Maromba, s/n (é fácil reconhecer pela fachada japonesa. Fotos em nosso Picasa)
Tel.(24) 3387 1143

quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

Novos equipamentos!

Como já devem ter percebido a qualidade das imagens entre resenhas varia bastante. Muito nítidas em alguns, embaçadas ou escuras em outras.

Isso não se dá por acaso. Até a presente data vínhamos lutando com um problema técnico bastante crítico: a disponibilidade de máquinas fotográficas decentes. Basicamente as fotos em sua maioria foram tiradas com:

Sony Cybershot DSC-P93
Resolução: 5Mpx
Qualidade: Boa

Kodak EasyShare C743
Resolução 7Mpx
Qualidade: Regular



HTC S711
Resolução 2Mpx
Qualidade: Pobre





Ocorre que finalmente adquirimos material de primeira linha (considerando que o blog se trata de um hobby e portanto investir uma fortuna numa Canon DSLR está fora de questão):

Blackberry Bold
Resolução: 3.2Mpx
Qualidade: Regular




Sony Cybershot DSC-W220
Resolução: 12Mpx
Qualidade: Ótima




Panasonic Lumix FZ-35
Resolução: 12Mpx
Qualidade: Excelente




Com as novas adições estamos agora parapetados para conseguir fotos mais nítidas, bonitas ... e saborosas!



Equipe Vou no Japa